Eu poetizo, 1.

Ao meu amor entristecido.

Pediste-me que poetize,

Pois então pousa tua cabeça dolorida

Tão cheia de quimeras, de ideal, de desesperança,

Sobre o colo brando que acolhe,

De teu amor compadecido.

Hás de me contar nessa voz  querida,

Tão querida quando terna,

A tua dor que julgas sem igual,

E eu, pra te consolar, direi o mal

Que à minha alma profunda fez a Vida.

E hás de adormecer nos meus joelhos…

E os meus dedos enrugados, velhos,

Hão de se fazer leves e suaves…

Tais quais flores brancas tombando docemente,

Sobre o teu rosto adorado …

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rimbaud, uma temporada no inferno

Outrora se bem me lembro, minha vida era um festim onde todos os corações se abriam, onde todos os vinhos corriam. Uma noite, sentei a Beleza em meus joelhos… E a achei amarga, E a injuriei. Armei-me

Eu poetizo, 3.

PARAÍSOS PERDIDOS Voltar a pensar, Acreditar, Sentir a esperança florir. Acorda amorfa, Ainda indefinida, Sem nexo, Esperança sem sentido Uma forma de crer na vida, Talvez no homem O que significa vol

Espaço Literário

Marcel Proust

Redes sociais

  • White Facebook Icon

© 2020 por Carlos Russo Jr.

Todos os direitos reservados