Larissa Reisner, a mulher-mito da Revolução Soviética.

Atualizado: 10 de Jun de 2019

Constitui um tema muito interessante e ainda pouco explorado, o entendimento dos processos de simbolismo e  mitificação que se

desenvolveram na Rússia, a partir de 1917, o que, de maneira apenas superficial, é o foco desse rápido ensaio.

O primeiro e mais importante ícone masculino tornado símbolo após a Revolução foi a figura do fundador do Estado Soviético, Lênin. À sua imagem muitas vezes se associava um tríptico: Lênin, Marx e Engels.

Logo após 1926, a esse tríptico associou-se outra imagem, a de Stalin. Dispuseram-se Marx e Engels num lado e Lênin e Stalin*, no outro. E essas figuras-mito permanecerão unidas como emblemáticas da Revolução e do Povo Soviético por 30 anos, até 1956.

O que bastante gente desconhece ainda hoje é o fato de que existiu também uma figura feminina escolhida para ser a mulher-símbolo do processo revolucionário. Ela existiu e  permaneceu por quase uma década.

Na iconografia da Revolução de Outubro ela é Larissa Reisner, a mulher que pousa sempre linda nas fotos e cartazes, e ela o era realmente, com um sorriso confiante e o olhar claro para o futuro, vestindo um longo vestido vermelho, muitas vezes alçada ao convés de um navio em chamas. A mulher símbolo da Revolução perdurará como tal até o final da década de 1920.

Larissa, polonesa de nascimento, era filha de aristocratas. Ainda muito jovem, ligou-se a grupos revolucionários russos no exterior. Depois que os Reisner passaram a residir em Petersburgo em 1905, Larissa cursou com o brilhantismo de primeira aluna as Faculdades de Direito e de Filologia.

Nesta época começou a escrever para jornais libertários; travou correspondência literária com Gorki,  e ingressou no Partido Comunista em 1917.

Após a Revolução, trabalhou nos primeiros tempos com Anatole Lunachasky , Comissário Político para a Educação, no Instituto Smolny, tendo sido a responsável pela catalogação dos tesouros artísticos da antiga Capital Imperial.

Casa-se, então, com o dirigente bolchevique Fiodor Raskholnikov e atua como Comissária Política na Guerra Civil, lado a lado com o marido, que dirigia a Esquadra Vermelha do rio Volga. Daí a imagem do navio em chamas associado à sua figura.

Serviu também ao Exército Vermelho sob as ordens diretas de Trotski, de quem se tornou amiga. Ele se referiu em suas memórias a Larissa como a “Palas revolucionária: uma deusa do Olimpo, que sulcou os céus da Revolução como um meteoro em fogo”.

É de autoria de Larissa o livro “Outubro”, escrito e publicado em 1920, e que teve a honra der ser considerada  como a obra literária mais adequada ao espírito social do seu tempo. O livro do americano John Reed, “Dez dias que abalaram o Mundo”, tão famoso no resto do mundo, não fora muito bem aceito pelo Partido e praticamente não foi difundido na URSS.

Uma vez terminada a Guerra Civil, Larissa lançou-se na luta proletária da Alemanha, onde, militou na reestruturação do Partido Comunista Alemão, após a desastrada deflagração da revolta espartaquista de 1919. Graças a seus dotes literários deixou livros e travou amizade com intelectuais como  o poeta Reiner Maria Rilke.

Retornou à U.R.S.S. em 1921 e em dois meses partiu junto com a primeira embaixada soviética que  se estabeleceu no conflituoso Afeganistão, disputado à época aos ingleses . Uma de suas funções era a de ser  agente de informações junto a Tcheká, dirigida por Felix Dzerzinski.

Retornando à Alemanha em 1923, agora como representante do Comintern  ( III Internacional Comunista), foi uma das responsáveis por convencer os líderes comunistas alemães da necessidade de isolarem-se dos socialdemocratas. Publica, então, “As Barricadas de Hamburgo”, e, logo a seguir “Berlim, outubro de 1923”. Por essa época, liga-se sentimentalmente a Karl Radek, membro do Politburo do PCURSS.

Retornando à U.R.S.S. em 1924, rompe seu casamento com Roskolnikov.

Nadiejda Mandelstam, viúva do poeta Ossip Mandelstam, apresentou em escritos que vieram à luz com a glasnost, Larissa como a mulher que soube construir atrás de si a imagem de mito. A própria Larissa assumiu-se perante Nadie: “Se a Revolução Francesa criou seu tipo feminino, por que não a Russa?” Nos escritos de Nadie, esta diz: “Era necessário criar um protótipo e este foi Larissa.”

Larissa era intelectual, educada nos antigos padrões aristocráticos, sabia ser doce quando queria e dura como uma rocha quando acreditava ser o seu dever para com o Partido; militante sempre disponível, linda e desejada, ao mesmo tempo líder e obediente a todas as palavras-de-ordem e disposições partidárias.

Tornou-se uma das primeiras intelectuais defensoras da ortodoxia, a qual viria a sufocar toda e qualquer liberdade de expressão artística nos anos vindouros. Ela atacava literariamente tudo e todos que ousassem inovar fora dos padrões, por exemplo, acusou através do Izvetia o escritor Mikhail Bulgakhov de traição por suas concepções místicas, no artigo intitulado “Contra o banditismo literário”.

Larissa Reisner veio a faleceu prematuramente em Moscou aos 31 anos de idade, vítima de tifo, em 1926. Boris Pasternak, que até a morte de Stalin manteve um comportamento nos limites do alinhamento aos ditames do realismo socialista, dedicou à época um poema à musa morta: “No meu réquiem para Larissa, digo que ela foi, dentre as mulheres, a Primeira da Revolução Russa.”

Por outro lado, coincidentemente com a morte de Larissa, em segredo, Pasternack começara justamente a escrever o livro “Dr. Jivago”, possuindo como cenário de fundo a Revolução de 1917. Este livro somente seria completado e viria a público em 1956, após a morte de Stalin e a ascensão de Kruchev. Seus contemporâneos afirmaram, o que Pasternak jamais negou, que a figura de Lara inspirara-se na Musa da Revolução, Larissa Reisner.

“O que fazia a sua beleza? Era alguma coisa que se podia isolar, mencionar nela? Não, não. Era essa linha simples e certa, inimitável, com que Deus a havia desenhado, para confiá-la à alma de Iuri. cercada por esse traço sublime… Lara é uma obra de arte viva”.

A partir dos anos 1930, todas as fotografias em que apareciam Trotski e Larissa começaram a ser borradas dos arquivos e nenhuma das imagens deles juntos sobreviveu.

Também a imagem da primeira mulher-símbolo da Revolução se esvaneceu. Afinal, até a morte, fora amiga de Trotski, e Stalin ocuparia para si todo o espaço disponível no imaginário popular russo, sem lugar para nenhuma figura feminina.

*Obs.: Ao contrário das imagens de Marx, Engels e Lênin, quase sempre reproduzidas com verossimilhança, a de Stalin, foi sempre retocada**. O georgiano tinha a face profundamente marcada por cicatrizes de varíola e tanto a técnica fotográfica quanto a forte maquiagem se encarregou de alisá-la e rejuvenescê-la. Por outro lado, nas aparições em pé Stalin, que possuía 1,59 m., com o uso de plataformas nos sapatos, parecia um homem por volta de 1,80 m. de altura.**Obs.: O fotógrafo I. Nappelbaum consagrou-se como o mais correto retratista e fundador do realismo socialista em fotografias. Foi dos primeiros a introduzir apuradas técnicas de retocar o rosto de lideres e de eliminar figuras obtidas em flagrantes, quer em fotos ou em películas cinematográficas.

1 visualização

Espaço Literário

Marcel Proust

Redes sociais

  • White Facebook Icon

© 2020 por Carlos Russo Jr.

Todos os direitos reservados