Rimbaud, uma temporada no inferno

Outrora se bem me lembro, minha vida era um festim onde todos os corações se abriam, onde todos os vinhos corriam. Uma noite, sentei a Beleza em meus joelhos… E a achei amarga, E a injuriei. Armei-me contra a justiça. Fugi. Ó feiticeiras, ó miséria, ó ódio, foi a vós que meu tesouro foi confiado! Consegui fazer dissipar-se em meu espírito toda a esperança humana. Sobre toda a alegria, para estrangulá-la, dei o salto surdo da besta feroz. Convoquei os carrascos para, perecendo, morder a coronha de seus fuzis. Convoquei os flagelos para me sufocar com a areia, com o sangue. A infelicidade foi meu deus. Deitei-me na lama. Sequei-me ao ar do crime. E preguei boas peças à loucura. E a primavera me trouxe o HEDIONDO RISO DO IDIOTA.

41 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Eu poetizo, 3.

PARAÍSOS PERDIDOS Voltar a pensar, Acreditar, Sentir a esperança florir. Acorda amorfa, Ainda indefinida, Sem nexo, Esperança sem sentido Uma forma de crer na vida, Talvez no homem O que significa vol

Eu poetizo, 1.

Ao meu amor entristecido. Pediste-me que poetize, Pois então pousa tua cabeça dolorida Tão cheia de quimeras, de ideal, de desesperança, Sobre o colo brando que acolhe, De teu amor compadecido. Hás de

Espaço Literário

Marcel Proust

Redes sociais

  • White Facebook Icon

© 2020 por Carlos Russo Jr.

Todos os direitos reservados